segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Como ter um amigo estúpido

Muitas pessoas discriminam as pessoas fora do normal. Aquelas que mesmo independente do seu estado estão la para apoiar sobre qualquer circunstância. Aquelas que as pessoas designadas "normais" recusam conhecer porque se distinguem de qualquer outra. Nunca ninguém as percebe, porque estão sempre no seu mundo. Aquele mundo em que ninguém lhes fode o juízo. E assim, desta forma conseguem levar a vida pondo os problemas para trás. Apenas as pessoas atentas, como eu, que perdem algum tempo a tentar conhecer aquela espécie, se questionam algumas vezes com  perguntas tipo "Como é que ele não tem problemas na vida?". Não é fácil conhecer esse tipo de pessoas, e eu, conheço uma. Essa pessoa é especial, nunca percebi em que motivo, mas o que posso dizer é que é melhor não "conhecer" essa pessoa.
Com a relação que tenho com essa pessoa, prefiro não abusar da privacidade da mente dele. Não quero entender como é que ele faz isso, apenas me sinto bastante confortável quando preciso de ouvir "merda", sim, "merda", porque da boca dele só sai disso. Mas apesar de tudo, sinto que é uma pessoa em quem posso confiar, porque sempre que eu preciso ele está lá para dar um ombro amigo.
Mas sim, é a minha relação com uma pessoa que não vive neste mundo. E não quero saber onde ele vive, ou melhor, onde a mente dele vive. Sinto-me confortável tendo uma pessoa destas a albergar-me sempre que preciso. Nunca me recusou tempo de conversa, porque muitas vezes é o que preciso.
Para despedir apenas vos quero desejar, caros leitores, que conheçam pessoas deste tipo, porque sem vocês estarem a espera, essa pessoa mudará a vossa vida.



Sem mais assuntos, só quero dizer que vos adoro e que se quiserem este meu amigo participará mais vezes comigo. Kiss nas nalgas.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

3 Anos

Olá oláá! Como estão? Muitas saudades? Pois bem eu tinha, tinha saudades de escrever aqui, aliás tinha saudades de escrever em qualquer sitio, não tenho feito mais nada para além de estudar, ando mega cansada e com o sono todo trocado... Vida de universitário é bem fodida! 
Mas whatever, hoje trago-vos um textinho que escrevi, já que fez esta semana, dia 24, 3 anos que não toco numa lâmina.

3 anos... Quem diria que seria capaz ver-me livre daquele horrível vicio. Hoje olho as cicatrizes no meu corpo e lembro-me da história de cada uma delas, lembro de cada motivo. Mas... Qual o verdadeiro significado destas marcas? Hoje, olho para elas e lembro-me de tudo o que passei, tudo o que sofri, lembro de todos os complexos que tinha com o meu corpo, lembro-me do bullying, lembro-me de "amigos". Olho para elas e noto nelas o quanto cresci, o quanto mudei. Não sou mais a mesma pessoa. 3 Anos depois concluo que foi isto tudo, foram todas estas batalhas que me fizeram. Foram estas tristes histórias que me fortaleceram. Se voltasse atrás? Para ser sincera, não mudava nada! Sou quem sou graças a tudo o que passei, sou quem sou devido a todas as merdas que me fizeram e que fiz! 
Não sou mais aquela menina que tem medo de falar. Não sou mais aquela menina que se rebaixava só para não perder uma "amiga". Não sou mais aquela menina que carregava um sorriso completamente falso dia após dia. Hoje, sou uma Mulher. Sou uma mulher de armas. Que enfrenta qualquer um que lhe queira mal para ser feliz. 
Não tenho mais medo de dizer "Esta sou eu!". Não tenho mais medo de mostrar quem sou. Não tenho mais medo de contar a minha história. Nunca pensei que pudesse ser tão feliz! Estou num curso que amo. Conheci pessoas maravilhosas. Pela primeira vez na vida chego a uma escola onde sinto que há pessoas que gostam verdadeiramente de mim. Passei pelas praxes. Andava muito cansada, é verdade. Mas as praxes ajudaram-me imenso na integração. As praxes ajudaram-me a perder o medo de mostrar o meu verdadeiro eu. Hoje, mostro parte do meu eu mais obscuro sem medo. Sei que ninguém me vai olhar de lado e pensar mal de mim. Mas também, se pensarem, não é problema meu.
Vivi de perto a verdadeira crueldade das pessoas. E magoei-me por causa disso. Não me orgulho das cicatrizes, mas também não me envergonho delas. No meu corpo está marcada a minha história. Como disse, em cada cicatriz está uma batalha. Em cada cicatriz há uma história escondida. Que só eu conheço, mais ninguém! Quando, 3 anos depois de tudo o que passei, oiço pessoas a dizer que me adoram, que sou das melhores pessoas que conheceram e dizem ainda que sou "uma miúda maravilhosa e sempre alegre.", sinto que não podia pedir mais nada. Tudo o que mais desejei ao longo de todos estes anos foi que me dissessem isto mas que o sentissem verdadeiramente. E hoje tenho a certeza que quando me dizem estas palavras que é sincero.
Foram 3 anos de muitos altos e baixos. Mas hoje sou alguém de quem me orgulho ser. E é só isto que importa. Nada mais interessa. E, apesar de tudo, digo: obrigada vida por tudo o que me fizeste passar, pois sem essas batalhas eu nunca seria a pessoa que sou hoje!