terça-feira, 25 de novembro de 2014

♥ Novo amor ♥


Finalmente percebi que aquele meu "sentimento confuso" em relação ao meu ex era só causado pelo facto de ele ter sido o meu primeiro namorado, do resto já à muito tempo que tinha deixado de gostar dele.
Mas continuando... Sim é verdade, estou apaixonada outra vez e mais feliz que nunca! Apesar dele não saber e muito sinceramente até acho melhor assim, porque somos bastante amigos e eu não quero estragar a nossa amizade. Demorei muito tempo a perceber o que sentia, mas à medida que os dias passaram fui concluindo com mais facilidade que afinal os meus sentimentos perante ele não eram de uma mera amizade, aliás acho que já quase toda a gente se tinha apercebido que eu estava apaixonada por ele menos eu, julgo ter sido a última a descobrir isso.
Mas o mais engraçado é que, como já disse, já todos se aperceberam que eu gosto dele e só ele é que ainda não atingiu isso, já lhe mandei várias indiretas e nada! Ou então também não atinge porque como somos, de certa forma, chegados, o meu tipo de brincadeiras e conversas com ele não mudaram, portanto a nossa relação está praticamente a mesma, apenas os meus sentimentos por ele mudaram.
O olhos dele são lindos e o brilho do seu olhar faz-me sonhar... Sonhar e imaginar o quão bom seria acordar e adormecer todos dias com uma mensagem dele a dizer "Amo-te".
Se tenho esperanças que ele um dia atinja e me diga que sente o mesmo? Talvez tenha, mas sinceramente prefiro manter a nossa relação no ponto em que está do que o facto de tanto me esforçar para que ele atinja o que sinto acabe por "matar" a nossa amizade e isso é a última coisa que quero, por isso prefiro manter em "segredo" esta minha paixão!

#7

Penso em ti e em nós, imagino-te ao meu lado até ao fim das nossas vidas. Queria que tu visses o quão apaixonada estou e que não fosses o único quem não consegue atingir isso...

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Gostava de não saber...

Gostava de não saber o que é chorar todas as noites até adormecer, gostava de não saber o que é tentar manter-me afastada de todo o mundo para não ouvir aquelas bocas a gozar, gostava de não saber o que é fingir um sorriso, o que é forçar esse mesmo sorriso para que não me desmanchasse em lágrimas, gostava de não conhecer a dor de uma lâmina a arrastar-se pelos braços, gostava de nunca ter conhecido o que é ficar viciada na dor, gostava de não saber o que é estar a morrer de calor e mesmo assim ter que ficar com o casaco vestido só porque tinha os braços preenchidos de cortes feitos na noite anterior, gostava de não saber o que é estar no meu quarto a destruir-me, enfim gostava de não saber tanta coisa...
É verdade que isso tudo já passou e que eu não vou deixar que estas memorias me afetem, mas ás vezes ainda me lembro, ás vezes ainda tento imaginar como teria sido a minha vida durante aqueles 2 anos e meio que passei refugiada do mundo na companhia da lâmina, o que teria acontecido? O que se teria passado? Será que continuaria a ser a pessoa que sou hoje? Como disse gostava de nunca ter conhecido o que é ser viciada na dor...
Sim o passado deve ficar do passado e dele retirar apenas as coisas boas, já o disse muitas vezes, mas aquilo por que passei foi muito forte e apesar de já não me afetar (porque eu não deixo), essas coisas todas.... Os arranhões, os cortes, as lâminas, a dor!! Nada disso vai desaparecer, é parte do meu passado, nunca o vou conseguir apagar e quer queira quer não vai fazer parte de mim para sempre, mas sinceramente, apesar de tudo, eu não quero que desapareça, a pessoa que sou hoje se calhar nunca iria existir, talvez nunca viesse a ter metade da experiência que tenho.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

#6

I’d like to be your skin to feel what you feel, and be your soul, your taste for tenderness, but I prefer to be me, so I can love you ♥

Conversas com o m.a: A. ♥

E quando nos dá para a lamechice o resultado é mais ou menos assim ahahah 


domingo, 16 de novembro de 2014

Preciso de espaço!

Sei que tenho estado um pouco (muito) ausente do blog, mas isto deve-se em grande parte á falta de tempo por causa das aulas, you know...


Bem, hoje passei o dia todo em casa, sinceramente não sei o que se passa comigo nos últimos dias, estou super feliz mas ao mesmo tempo sinto que me falta algo. Apetece-me estar sozinha, trancada no meu quarto, no meu mundo onde só está presente música, um caderno e uma caneta.... Mas não posso, não dá simplesmente, a minha mãe não me dá esse espaço e honestamente, pela primeira vez, sinto que isso me faz mesmo muita falta! O meu espaço, o ambiente onde me posso refugiar, onde posso escrever sobre o que sinto, ouvir música, sei lá, eu preciso de espaço, de privacidade!! 
Sou uma adolescente de 17 anos, mas não sou como as outras, pois, digo isto porque muitas das adolescentes com 15, 16 ou 17 anos (que conheço) saem quase todas as sextas ou sábados, podem estar no quarto sempre que querem, estar sozinhas, ter o seu espaço, criar o seu próprio mundo... Mas eu não, já tentei falar com a minha mãe explicar-lhe que já não tenho 10 anos, que preciso do meu espaço, mas não levou a lado nenhum, a D. I. e o marido (Sr. A,), apesar de agora os tratar só pelo nome lol, também já tentaram falar com ela, mas parece que tudo o que se lhe possa dizer lhe entra por um ouvido e sai pelo outro, ás vezes parece que ela não quer aceitar que eu não sou mais aquela menina indefesa, parece que tem medo de me perder se me der mais espaço (e liberdade).... Mas isso nunca ia acontecer, eu adoro-a apesar de todas as nossas discussões, aliás se ela me desse o espaço que preciso acho que ainda íamos ficar mais próximas, o facto de ela não fazer isso acabamos por nos  ir afastando por muito unidas que sejamos, eu não sou capaz de desabafar com ela, há coisas que adorava contar-lhe, partilhar com ela, mas que não o faço pelo simples facto de saber que ela nunca iria reagir bem e que iria perder a confiança em mim.
Acabo por "deprimir" quando ás vezes o que preciso é de uma hora ou duas fechada no meu quarto, em silêncio ou a ouvir música, a escrever ou não, isso não interessa, bastava estar sozinha no meu mundo sem que mais ninguém me chateasse.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Facebook Page


OMG estou tão feliz!!!!
Ainda ontem quando fui á página do blog no Facebook só tinha 311 likes, acabei mesmo agora de lá ir e PUFF tinha 419 likes, agradeço imenso a todos aqueles que me têm ajudado a crescer neste novo mundo. Especialmente nos últimos tempos. Têm aderido cada vez mais á página e isso deixa-me sem palavras, nunca esperei vir a ter tanta aderência, admito que desde o meu último post ponderei em eliminar o blog e a página do Facebook, pelo simples facto de não ter tempo para os manter atualizados (mais ao blog que á página), mas este crescimento repentino faz-me repensar e chegar á conclusão de que aqueles que gostam de ler o meu blog ou das imagens que vou publicando do facebook vão continuar a "seguir-me" quer atualize todos os das quer atualize só de mês a mês. É que, you know... Com as aulas e isso tudo torna-se difícil manter as coisas atualizadas.
Já agora se quiserem por "gosto" e ajudar-me a evoluir Uma rapariga no mundo já sabem :)*

THANKS EVERYONE!!!! :D*

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Vida


"Se a vida fosse um sonho o meu desejo seria jamais acordar…
Se a vida fosse uma canção gostaria de jamais deixar de ouvi-la.
Se a vida fosse uma flor gostaria que a sua beleza e perfume não morressem.
Se a vida fosse um desejo, o desejo seria da eternidade…
Mas a vida é um caminho sem sonhos, sem canções, sem flores, sem desejos…
A vida é o desafio de cada um de nós, viver é sobreviver.
Chegar até a velhice é o mesmo que ganhar uma luta…
O troféu é a historia que se pode viver,
Nada faz da vida a certeza de um amanhã.
A vida é aprender que não se pode esperar o amanhã,
Pois o amanhã simplesmente é um mistério.
Viver o presente é ser sábio…
Viver do passado e do amanhã é acreditar em ilusões concretas."


domingo, 2 de novembro de 2014

♥ One of my passions - Music

"Sem a música, a vida seria um erro."
- Friedrich Nietzsche


É isto, cada vez que ponho os fones, desligo do mundo, é como se nada mais existisse, só eu e a música

Chorar

Ás vezes apetece-me ir ver os meus álbuns de quando era pequenina, vejo e revejo cada foto que possa ter com o meu avô, tento matar saudades ao ver outra vez aquele sorriso imenso que ele tinha, ao ver a alegria que ele tinha! Lembro-me das nossas conversas sem fim, lembro-me da paciência que ele tinha para me aturar, das muitas vezes que eu o chateava tanto que ele lá acabava por me fazer as vontades, recordo com muita saudade as nossas brincadeiras, das vezes todas que eu lhe "batia" na careca ahahah, ai meu Deus ele tinha tanta paciência comigo, era tão dedicado.... Muitas vezes dou por mim a chorar enquanto relembro tudo isso, epah eu sei que é a vida, mas será esta vida justa? Será mesmo? Ora a resposta é NÃO! E por vezes é isso que me faz chorar, ver a pessoa que ele era, uma pessoa justa, humilde, um homem bom, sempre pronto a ajudar, então quando se tratava de mim, lembro-me que, quando era pequenina, na praia eu nunca queria ir para a areia, dizia que era suja ahaha, e pelo que me contam a única pessoa que conseguiu fazer com que eu pisa-se a areia foi o meu avô, muita paciência ele tinha... São essas pequenas recordações que me fazem chorar, a saudade que tenho do meu avô de "antigamente" é tanta que, ás vezes, basta uma simples palavra um simples gesto dele (tento imaginar muitas vezes se aquela palavra ou aquele gesto seria igual se ele estivesse bem) que me faz emocionar, se isso tudo é lamecha? Até pode ser, mas que posso eu fazer?

sábado, 1 de novembro de 2014

Glen Campbell - I'm Not Gonna Miss You


 "I'm still here, but yet I'm gone"

Esta música faz-me lembrar o meu avô, porque diz exatamente aquilo que ele diria se soubesse o que se está a passar com ele :'(
Custa-me muito falar sobre isto, you know... E a letra desta música faz-me pensar... Pensar em como tudo seria se o meu REI não sofresse de Alzheimer (juntamente com stress crónico e parkinson), faz-me tentar imaginar o mundo sem ele (também) porque sei que mais cedo ou mais tarde ele vai fechar os olhos e partir para um outro lugar (se é que existe mesmo, eu quero acreditar que sim, mas por vezes "bate" aquela dúvida), ao ouvir esta música lembro-me de tudo aquilo que eu e ele éramos juntos, nada nos deitava abaixo. E agora isso não passam de meras recordações que nunca vou esquecer, aquilo por que estou a passar agora fez-me começar a ver a vida e o valor dela de uma outra maneira, aproveitar a vida ao máximo a cada dia que passa, pois não sabemos quem poderemos ser no futuro, se algum dia nos vamos lembrar das pessoas que mais amamos se vamos poder partilhar aquelas histórias do "antigamente", não sabemos quem seremos ou não seremos....