terça-feira, 26 de agosto de 2014

"Talvez "certo" se torne o nosso "para sempre"."


Acabei agora mesmo de ver, pela primeira vez,  o filme "A Culpa é das Estrelas", não vou dizer que chorei, porque se o disse-se mentiria, mas vontade não me faltou,  apetecia-me chorar mas simplesmente nenhuma lágrima caiu... Podem dizer o que quiserem mas este tipo de filmes é daqueles que mais que mais gosto de ver, talvez porque me fazem pensar,  me fazem refletir sobre o que é a vida,  o que é o amor... Fazem-me pensar, não com o cérebro, mas com o coração! Sou muito sensível,  apesar de por vezes não o demonstrar, adoro tudo o que me faça pensar... Pensar no que estamos a fazer neste mundo, no que é o amor verdadeiro, sobre o papel que desempenho neste mundo cruel. Pode parecer estranho "pensar com o coração", afinal pela lógica isso é impossível, mas para mim é de onde vêm as palavras que escrevo,  do coração! 
Quando se vê o filme "A Culpa é das Estrelas" as pessoas mais sensíveis conseguem refletir sobre o papel que cada um desempenha no mundo... Quantas vezes nós não damos valor àquilo que temos? Quantas vezes não desejamos ter outra vida? Não ter nascido quando algo nos corre mal... Eu própria já fiquei zangada por os meus pais não me terem dado aquilo que eu queria, mas para quê isso? Para quê zangarmos-nos por coisas tão insignificantes quando todos dias morrem pessoas de cancro,  pessoas que lutaram até ao último segundo,  pessoas que só queriam um dia mais de vida,  um minuto mais de saúde... Devíamos agradecer e dar valor áquilo que temos,  pois a vida pode até correr-nos mal mas há pessoas que estão piores que nós. 
Quando vejo estes filmes,  normalmente só choro na segunda vez,  não me perguntem porquê, pois eu também não sei a resposta. E o mais interessante é que a cada vez que vejo um romance como este acrescento sempre qualquer coisa à minha opinião, aprendo sempre algo mais, sinto sempre algo diferente para além da emoção...
Amei o filme e espero voltar a vê-lo. Estou também desejosa de ler o livro,  pois a emoção de ler o livro em vez de ver o filme é completamente diferente e é algo que eu gosto de sentir...


terça-feira, 19 de agosto de 2014

17 anos ♥



Faz hoje 17 anos que vim ao mundo, seria suposto fazer uma grande festa e tudo mais, mas em vez disso prefiro fazer um jantar simples com os familiares mais próximos.  Infelizmente este ano não vou poder estar com o meu pai no meu dia de anos, neste dia ele está a trabalhar.  Por isso tenciono passar a tarde na piscina e depois vir jantar com o meu avô e assim. Afinal eu não sei se para o ano vou cá ter o meu avô neste dia especial.  Mas whatever hoje o dia é de festa e não de tristezas. 
Na realidade, só tenho (oficialmente) 17 anos às 13:54, mas que mais dá, tipo o importante é o dia, acho eu,  ahah. Faz hoje 17 anos que ando a moer a cabeça aos meus pais e que, supostamente,  ando a chatear aqueles que não gostam de mim, mas epah é a vida, não podemos escolher não é? 
Era suposto escrever um mega texto sobre como é ter 17 anos, mas não sou capaz, I don't know why. Também que interessa escrever o mega texto se eu me sinto exatamente a mesma pessoa que antes era...
PARABÉNS A MIM!!! :DDD

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Saudades

Sozinha no quarto, deixo cair uma lágrima...
Essa lágrima tem uma razão, é as saudades que aumentam a cada dia que passa.
Já não me lembro da última vez que senti uma lágrima a escorrer-me pela face. Mas já não aguento,  as saudades são já tantas que por muito que tente não consigo controlar-me mais.
Tenho saudades do meu avô, de quando ele estava bem, de  quando ele me enchia o coração com aquele sorriso do tamanho do mundo, já disse e volto a dizê-lo, o meu avô para mim é como um pai, e cada vez me dói mais ver o estado em que ele está, sei que um dia, mais cedo ou mais tarde o vou perder de vez, mas apenas desejava que não fosse desta maneira...
E tenho saudades do meu babyboy, ás vezes parece que quanto mais tento não pensar nele, mais gosto dele e mais saudades tenho do olhar dele, do sorriso dele, do cheiro, da voz dele, dos beijos e abraços que só ele sabia dar, enfim tenho saudades dele e de rodos aqueles momentos que passámos juntos...
Uma vez li na net "A saudade não tem braços, mas aperta" já não me lembro do seu autor, mas essa expressão ficou gravada na minha memória. Talvez porque é real, afinal quanto mais saudades tenho mais forte se torna o aperto que sinto dentro do peito.
Mas whatever,  a vida continua e chorar não adianta,  isso não vai fazer o tempo voltar atrás. Por isso vou soltar um sorriso e continuar a viver a vida ao máximo!

sábado, 16 de agosto de 2014

I still think about you


"Deitada na cama Sozinha
Pensamentos loucos atravessam Minha mente
Pensando em Você

E Difícil Esquecer
Minha Cabeça Diz sim mas Meu Coração Diz NÃO
Gostaria Poder NÃO ter escolhido "


Por vezes uma música consegue expressar melhor os nossos sentimentos que nós próprios. E o que eu sinto em relaçao a esta música é isso mesmo. 
Por muito que eu queira não o consigo esquecer, na minha cabeça eu quero fazê-lo mas o meu coração não deixa. Não interessa onde eu vá, ele está sempre dentro de mim. Há tanto tempo que acabámos e parece que quanto mais o tempo passa mais eu gosto dele, é um sentimento que eu não consigo explicar, mas esta melodia consegue fazê-lo  melhor que eu. O amor é um sentimento complicado que nem mesmo a pessoa mais inteligente á face da terra o consegue descrever. 
Amar é demasiado complicado.


quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Delete

Estive a pensar e decidi seguir o conselho de uma pessoa, apagar todos os meus posts do passado... 
E pensando bem, essa pessoa tem razão. Ao apagar os posts antigos do blog significa que já estou bem, não preciso mais de reler os textos do passado, aquela rapariga não existe mais! 
Nada do que me aconteceu vai deixar de existir por eu ter apagado os posts, nada disso, na minha memória tudo isso vai continuar, mas nunca mais me vai afetar, não vai porque eu não vou deixar! 
Existiram coisas boas que eu nunca vou esquecer, tal como também não vou esquecer nem os cortes nem todas as outras coisas más que me aconteceram. As marcas nos braços e nas pernas vão continuar a existir, apesar de irem atenuando com o tempo e de certo modo o sol também ajuda, o facto de apanhar sol ajuda a disfarçar todas estas marcas e eu noto isso desde que comecei a ir á piscina, as marcas estão cada vez mais "fracas".
Não estou orgulhosa de algumas coisas pelas quais passei ou fiz, mas penso que foram muitas dessas cenas que me fizeram tornar na pessoa que sou hoje.
O passado está no passado, não preciso mais dele, existiram coisas boas e coisas más, agora depende de mim deixar que as más me afetem ou não. E eu não quero que me afetem por isso decidi seguir o conselho desta pessoa e apagar, de certo modo, o meu passado...

I love it

O texto não é meu,  mas achei-o simplesmente lindo!

Mais magra... Será mesmo?

Já são 3 pessoas que me dizem que estou mais magra... O mais incrivel é que não tenho feito qualquer tipo de dieta, apenas tenho ido muita vez á piscina e bem... Não tenho comido muitos doces. Será disso?
De qualquer das formas apesar de, agora, me sentir bem com o corpo que tenho e assim, fico muito contente por estar a conseguir perder algum peso. Ainda não me pesei nem quero pesar, prefiro ficar sem saber.
Tantas dietas que fiz e tudo mais e nenhuma deu resultado, se calhar por estar tipo paranóica em perder peso. Agora como ando mais relaxada e whatever estou a começar a emagrecer... 
De qualquer das formas fico contente por isto me estar a acontecer, vou continuar assim. É que apesar de já não me fazer confusão o facto de ter o corpo que tenho fico muito contente e significa muito para mim estar a conseguir emagrecer, é mais um marco nesta longa viagem. 
Talvez desta vez consiga nunca se sabe. 

És o meu avôzinho avôzão

Sempre cuidaste de mim, sempre me aturaste, sempre brincaste comigo... sempre me deste tudo o que podias, sempre fizeste de tudo para me ver feliz e principalmente sempre foste um segundo pai para mim, por isso que te adoro, te acarinho tanto! 
E é quando recordo as fotos antigas que mais saudades tenho de quando tudo era perfeito...
Que mais saudades tenho do teu sorriso que me aquecia o coração...
Que mais saudades tenho das nossas brincadeiras, das nossas maluquices...
Que mais saudades tenho dos nossos passeios...
Que mais saudades tenho dos momentos que passavam rapidamente quando aturávamos a pequenita...
Que mais saudades tenho de quando me chamavas "salta-pucinhas", de quando dizias que eu tinha bichos carpinteiros...
Enfim, é quando recordo as fotos mais antigas que mais saudades tenho de quando tu eras tu, não é que agora não sejas tu, é só que antes eu sabia que não estavas lá só fisicamente, sabia que também estavas mentalmente, sabia que estavas sempre lá...
És que nem um pai para mim e isso nunca vai mudar! Vais continuar sempre a ser aquele que venero e que amo!!!
Mas que posso eu dizer mais se não existem palavras para descrever aquilo que és para mim, não existem atitudes suficientemente capazes de mostrarem o quão grande és, o quão especial, gostava que houvesse uma única palavra ou atitude capaz de te descrever, de descrever o quão importante és, por muito que diga ou faça nunca nada vai ser suficiente para demonstrar o quão te adoro e o quão perfeito és para mim!!




segunda-feira, 11 de agosto de 2014

A festa

Talvez tenha dramatizado "um pouco" no último post, mas a verdade é que eu naquele momento estava furiosa. Tipo cansa um bocadinho estar a ser controlada a toda a hora não é?  You know... tenho 17 anos (quase) preciso do meu espaço e de um pouco a mais de liberdade,  mas whatever. 
Regressei à pouco da festa, foi bem fixe... e o melhor foi o facto do outro rapaz não se ter colado a nós,  facilitou-me a vida. Também,  eu já tinha falado com o A. ele compreendeu a minha situação. 
Joguei à bola, dancei, curti a noite, foi espetacular.  Bastante fixe até. Curti foi ver a reação de uma prima minha quando me viu a dar-me tão bem com A., epah eu nem sou dessas cenas (e quem me conhece minimamente sabe disso) mas a sério deu-me mesmo gozo, porque tipo ela tem a mania que é boa,  nós  antes até nos davamos bastante bem mas eu depois descobri umas cenas e de uma beca de distância, whatever, então eu como odeio esse tipo de gente que gosta de se armar em superior quando vi a reação dela quando eu abracei o A. passado um tempo fiz de propósito e dei-lhe a mão,  ele não se importou tal como eu também não,  somos bastante amigos aquilo não queria dizer assim tanto quanto isso.
Well, apesar de tudo curti bastante,  agora tenho é pena de não ter podido ficar lá mais tempo,  mas whatever já tive sorte em ter ido, não me posso queixar. 

domingo, 10 de agosto de 2014

Companhias

Ok... como é que eu posso andar acompanhada se a minha rica mãe me proíbe de andar com as pessoas?
A sério começo a ficar mesmo farta destes controlos todos... Quero-me tentar dar bem com as pessoas mas não consigo e porque será? Se calhar porque a minha mãe se interfere em tudo, talvez porque  quando me quero dar com uma pessoa ela me proíbe só porque, supostamente, tem má fama... Mas o que é isto?? Agora deu-lhe em julgar as pessoas pelo que dizem? Quer dizer sempre me ensinou a dar-me bem com as pessoas independentemente do que pudessem dizer delas (visto que nem tudo o que dizem é verdade né) e agora faz isto...
Logo á noite vou a uma festa, as pessoas com quem me dou bem, principalmente um amigo meu, o A., dão-se com esse rapaz que tem má fama, como é que eu vou fazer? É que ou obedeço á minha mãe e fico sentada sozinha ali  num canto (numa festa, onde normalmente as pessoas vão lá para se divertirem) ou então arranjo merda com a minha mãe e ando na mesma com esse rapaz e o resto do pessoal.
Tive uma discussão "enorme" com ela por causa disso, quer dizer, afinal, não é por me dar com as pessoas que vou fazer o mesmo que elas não é? Tenho consciência do que devo ou não fazer. Lá por esse rapaz ter fama de ladrão não quer dizer que eu também roube (quer dizer eu nem sei se ele rouba mesmo ou não, mas também não quero saber, ele mim nunca me fez mal nenhum).
Mas whatever, logo vejo o que faço, por um lado arranjar merda com a minha mãe não ia ser nada fixe, mas por outro ficar sozinha em plena festa só porque não me posso juntar ao pessoal porque ele está lá com eles também não é nada fixe. 

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Controlo

Começo a ficar um nadinha farta de estar sempre a ser controlada. Não posso ter a minha própria privacidade, não posso sair ou fazer alguma coisa mais tal. Tento não dizer nada e por vezes isso faz com que fique com um aperto no peito e fico tipo a sufocar, porque se responder, sou eu que sou a mal-educada e tudo mais... Mas whatever como eu sei que tenho limites, qualquer dia rebento e digo tudo o que me vier á cabeça. Acho que, apesar de serem meus pais, preciso de ter um pouco de liberdade, preciso de ter o meu espaço e a minha privacidade... Já não tenho 5 anos, já não sou nenhuma menina pequena que precise de controlo total e que não possa ter o seu próprio espaço.
Mas, pronto, whatever, enquanto a música me acalmar vou tentando calar-me, qualquer dia quando isso deixar de funcionar, I don't know, talvez rebente e diga tudo o que quero e não quero.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Hetero, homo ou bi, que interessa?

Para mim é tudo igual, quer gostem de rapazes ou raparigas são a mesma pessoa, ninguém tem nada a ver com isso... O importante é serem felizes!
E quanto ao casamento homossexual, também acho que casamos com quem queremos, na minha opinião o amor é mais importante que o resto. Julgo que devem ter exatamente os mesmos direitos que os heteros, incluindo a adoção. Eu acho que é preferível uma criança ser adotada por um casal homossexual em vez de estar a ser maltratada em instituições e por casais heterossexuais. Mas penso que (tal como alguém que conheço disse) nesses casos poderia haver, como também existe na adoção heterossexual,  um acompanhamento de uma assistente social, mas que nestes casos fosse mais presente.
Apesar de hetero, admiro muito aqueles que se assumem perante a sociedade como gays/lésbicas ou bis. E acho que os que não assumem deviam assumir e se têm medo de o fazer é culpa da sociedade de merda que temos.
Pior é quando a própria pessoa não consegue aceitar o facto de ter uma orientação sexual diferente, mas acho que isso também vai da maneira de como foram educadas,  por vezes quando se cresce numa família que seja completamente homofóbica é bastante difícil não só assumir-se perante a sociedade como também perante ela própria.

sábado, 2 de agosto de 2014

Sentimento complicado

http://www.wordsonimages.com/photo?id=6641-Dear+heart%2C+why+him
O que eu mais queria era esquecê-lo, mas não é assim tão fácil. Talvez não devesse pensar mais nele, mas... E não pensar? Isso tento eu andar sempre distraída e whatever para não me lembrar dele... Mas não consigo. É demasiado difícil para mim, tentei pensar noutras pessoas, mas parece que isso ainda me fez gostar mais dele... Isso não me deixa triste, quer dizer também não me deixa feliz. Mas não é triste que fico, epah é complicado explicar este sentimento.
Quanto mais luto para o esquecer mais eu gosto dele, por isso vou deixar o tempo levar este sentimento de dentro de mim, talvez assim consiga esquecê-lo.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Escrever

Perco a conta das páginas que já gastei, das linhas que já preenchi com todas aquelas palavras,  algumas boas outras más.... A escrita foi e é para mim um refúgio, com ela me escondo, com ela choro e sorrio.
Quando escrevo sinto-me livre. É como se me libertasse dos meus maiores segredos e desejos,  dos meus sentimentos mais profundos... Escrever é para mim algo que não posso definir, tem demasiadas definições, todas as vezes que escrevo tem um significado diferente.
Para mim a escrita tem que ser sentida... Tenho que sentir cada parágrafo ou frase,  cada palavra ou letra, cada ponto final ou vírgula. Não me importa se o que escrevo faz sentido ou não, desde que venha de dentro de mim, nada mais interessa.
Nas folhas escrevo o que não falo, conto o que não digo...